Il Viaggio in Rosa – Parte II

Parte II – Brescia
Estou a ficar uma cagona com a idade. Conduzir tira-me da minha zona de conforto. Não estou habituada e não lido bem com a imprevisibilidade. Não sei onde estou e inquieta-me ser eu a disturbar o fluxo do trânsito. Tenho sorte – muita sorte – por não entrar em pânico e por manejar mais ou menos bem os carros. Posso pôr as mudanças tarde, e etc., mas quando me sinto no limiar dos nervos consigo segurar o volante mais um bocadinho até poder parar e respirar ou chorar ou seja o que for. Tenho de procurar o lado positivo disto. Tenho estado atenta e saio com relativa facilidade dos problemas em que me meto. Hoje tive de guiar quarenta e cinco minutos na auto-estrada. A cada instante dizia-me que faltavam menos km. Faltava menos tempo. Fui quase sempre na faixa do meio, mentalizada de que os outros hão de me contornar por onde entenderem. Numa saída da auto-estrada, fui para as máquinas dos camiões para validar o bilhete. Tenho sempre de sair do carro porque a minha mão não chega à máquina. O senhor atrás foi simpático, esperou e entendeu de imediato que eu não fazia ideia do que estava a fazer. São muitos anos na estrada, suponho. Noutra saída afastei-me da direita porque estavam a entrar carros de uma faixa de aceleração. Depois o GPS disse que a minha saída era já ali, e tive de me meter para a direita meio à bruta. Coitada da rapariga que me apitou. Juro que os nossos carros ficaram a meio braço de distância. Não acredito no Deus das igrejas, mas sei que tenho uma estrela. Sempre tive. Obrigada, estrelinha. Sei que estás aí a todas as horas. A minha família tem uma espécie de maldição em cima, mas há essa força boa a contrariar tudo e a pedir-nos calma e fé. Vou ter fé que amanhã vou conseguir guiar três horas com serenidade. Vou fazer planos para parar a meio, porque ir ali hirta uma hora já foi demais. Detesto guiar à noite, não vejo nada. Além de que vou sempre com a impressão de que as minhas luzes estão mal. Não devia ter ido ao google ver os símbolos, porque agora percebi que estiveram mesmo mal. O lado bom é que serão só quatro dias a conduzir, e um deles já passou. Agora faltam três dias, só. Mais ou menos oito horas na estrada e acabou-seo meu suplício. Sempre gostei da ideia de conduzir e sempre tive um certo desprezo às pessoas que não conduziam por medo. Achava (e acho) que os medos são para ser ultrapassados. Porém o medo não é propriamente uma coisa racional. Só não posso deixar que me paralize. Entretanto, mal posso esperar para largar o raio do carro e ficar sozinha com 10kg em cada mão nos transportes públicos…
Assim que isto acabe, duvido que toque num carro tão depressa. Acabou-se-me o encanto pela condução. Admiro todas as pessoas que se metem ao volante de um, à mercê de todos os malucos que por aí andam, sem a mais vaga ideia do que estão a fazer. Como eu.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s